Aconteceu na Paraíba: Problemas com tripulação cancela voo em Campina Grande

DATA DO FATO: 12/12/2010
O cancelamento de um voo provocou tumulto e correria no aeroporto João Suassuna, em Campina Grande, na tarde de ontem. Passageiros que pretendiam embarcar com destino a São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília foram obrigados a seguir viagem de carro até João Pessoa e Recife (PE) para de lá embarcarem no avião rumo ao destino desejado. De acordo com a direção do aeroporto, o cancelamento do voo da Gol, que partia às 13h30 para fazer conexão em Recife, foi determinado pela companhia aérea por problemas com a tripulação e não foi motivado por problemas na estrutura aeroportuária da cidade.

Apesar dos transtornos, o funcionamento do aeroporto foi normalizado no decorrer da tarde. “Houve um cancelamento de voo desde cedo, sob a responsabilidade da companhia aérea. É importante deixar claro que não tem nada haver com Campina Grande, foi um problema na malha aeroportuária que não foi causado aqui. Não há nenhum problema quanto a operacionalidade do aeroporto”, informou Nilson Suassuna, superintendente do aeroporto em Campina Grande. 

Os passageiros reclamaram da falta de informações no atendimento fornecido pela companhia aérea. Quem precisava fazer uma conexão para pegar um segundo voo foi obrigado a remarcar as duas passagens. “Fui forçada a adiar e ainda não sei quando vou poder viajar. Eu ia pegar uma conexão em Recife para Guarulhos, mas agora não sei como vou fazer. Vai depender da disponibilidade do segundo voo”, contou a dona de casa Neves Avelino, que veio a Paraíba visitar familiares. Dezenas de passageiros não aceitaram seguir de carro para Recife e decidiram adiar a viagem, formando uma longa fila no guichê na Gol. 

Quem viajava à trabalho sentiu os danos no bolso ou correu o risco de perder compromissos que já estavam previamente agendados. Foi o caso do professor Gonzalo Rojas, que atua na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e estava seguindo para Campinas onde vai participar de uma banca de doutorado. “Eu tinha de chegar à meia-noite para ter tempo de descansar e agora vou chegar às 9h se não houver outro atraso. Fica mais cansativo, eles não valorizam o tempo das pessoas”, reclamou. 

O professor alertou para a necessidade de melhoria da estrutura dos aeroportos no Brasil. “Se está assim em Campina Grande em uma terça-feira à tarde, imagine o que será de nós na Copa do Mundo e nas Olimpíadas”, alertou Gonzalo Rojas.

Até mesmo portadores de deficiência física foram obrigados a esperar horas nas filas sem saber qual seria a solução do problema. “É uma falta de respeito e muito ruim. Não recebi nenhum atendimento preferencial por causa da minha condição”, relatou Socorro Silva, portadora de deficiência física que seguia para o Rio de Janeiro e foi obrigada a embarcar em Recife. Apesar de ter direito a prioridade, ela não conseguiu vaga nas duas primeiras vans que saíram de Campina Grande até as 15h e não sabia quando iria conseguir viajar.

Os funcionários da empresa Gol que estavam fazendo o cadastramento dos passageiros informaram que não tinham autorização para repassar nenhuma informação sobre o caso e que apenas a assessoria de imprensa em São Paulo poderia repassar alguma informação. A assessoria de imprensa da Gol sediada em São Paulo informou que não possuía informações sobre os problemas ocorridos na região Nordeste.

Matéria publicada por: Jornal da Paraíba
Fonte: Jornal da Paraíba
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s